Últimas
segunda-feira, 6 de junho de 2016

Flanelinhas. Prejuízo e medo para consumidores e empresários

Em cada quarteirão, uma sentença. R$ 2, R$ 10, R$ 20 são os valores da extorsão. Em dia movimentado, fica ainda mais caro. Por medo, o cidadão paga. O prejuízo é de consumidores e empresários.Você sai para encontrar uns amigos. Pega o carro e segue até o restaurante ou casa de shows. Espera curtir a noite, se divertir. Mas o périplo está só começando. Torce o pescoço olhando para todas as direções em busca de uma vaga. Ao encontrá-la, esbarra com um guardador de carros, o popular “flanelinha”. Ele pede R$ 20 adiantados. Isso registrado num pequeno papel. Você é coagido. Entrega o dinheiro a contragosto. Teme que seu veículo não esteja inteiro quando voltar. Cede à extorsão.

A narrativa é uma triste realidade de quem deseja se divertir nas noites de Fortaleza e usa o carro como meio de transporte. A situação chega a ser endêmica em corredores culturais e de entretenimento da Capital. Nos entornos do Dragão do Mar, por exemplo, há quase sempre uma pessoa próxima, em áreas de estacionamento público. Cada quarteirão, uma sentença. R$ 2, R$ 5, R$ 10, R$ 20 ... Vai depender do dia da semana, do horário ou se o flanelinha te achou “legal” ou não.

A narrativa é uma triste realidade de quem deseja se divertir nas noites de Fortaleza e usa o carro como meio de transporte. A situação chega a ser endêmica em corredores culturais e de entretenimento da Capital. Nos entornos do Dragão do Mar, por exemplo, há quase sempre uma pessoa próxima, em áreas de estacionamento público. Cada quarteirão, uma sentença. R$ 2, R$ 5, R$ 10, R$ 20 ... Vai depender do dia da semana, do horário ou se o flanelinha te achou “legal” ou não.

“Tem um cidadão que cobra R$ 10 no sábado para estacionar num local que é público. Quando passa das 22h, ele sobe para R$ 20”, destaca João Barbosa Peixoto, proprietário de um bar próximo ao Centro Cultural. O referido espaço fica debaixo do nariz da Polícia Militar, lotada em um posto do Programa Ceará Pacífico. 

A ação dos flanelinhas causa insegurança na clientela. E os lucros, afirma, poderiam ser superiores se eles não estivessem nos arredores. “As pessoas não param aqui por medo. Se não permanecessem próximos, ganharia mais com a venda de lanches”, lamenta o comerciante. Prejuízo também contabiliza Mariana Teixeira gerente de um restaurante próximo ao Centro Cultural. O movimento da casa, segundo ela, é reduzido pelo medo. “As pessoas se afastam por causa da agressividade dos flanelinhas”. 

Outro ponto disputado é a Avenida Zezé Diogo, na Praia do Futuro. Barracas em quase toda sua extensão, prato cheio para a ação dos flanelinhas. A lógica é a mesma: quanto mais tarde (e apressado você estiver), mais caro será o valor para estacionar seu veículo. Em eventos, a situação fica mais difícil. Liege Xavier, proprietária da Barraca Santa Praia, crê que o maior preço pago também advém da insegurança. “Entregam um cartão como se pagar fosse algo obrigatório, como se a área fosse deles. Não custa dar um trocado, mas por livre e espontânea vontade, não por obrigação. É algo totalmente irregular”.

Os guardadores de carros justificam que a “colaboração” é voluntária. Ou seja, quem manda é o cliente. “Aqui não tem um valor. Ele paga o que quiser”, afirma um flanelinha que se identifica apenas como Jefferson. O apurado, segundo ele, varia de R$ 25 a R$ 40 por dia. Em eventos, no entanto, a história é outra. “Tive colegas que tiraram R$ 200 num único dia no Pré-Carnaval”.

Fonte: O Povo
Foto divulgação
  • Comentar com o Google +
  • Comentar com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários serão publicados após aprovação. Comentários com ameaças, ofensas pessoais, pornografia infantil, conteúdos preconceituosos ou qualquer outro que viole a legislação em vigor no país serão excluídos.
Todo e qualquer texto publicado por meio do sistema de comentários não reflete a opinião do Forquilha Portal de Notícias ou de seus autores.

Item Reviewed: Flanelinhas. Prejuízo e medo para consumidores e empresários Rating: 5 Reviewed By: Sistema F5 Ceará de Comunicação